Vias Estruturantes

Nova geração

Uma nova geração de vias estruturantes apresentada na passada semana, “projecta Gaia rumo ao futuro”. Um investimento na ordem dos 14 milhões de euros, uma intervenção em cerca de seis quilómetros de novas vias vão contribuir para uma “significativa melhoria da competitividade territorial e para o aumento da qualidade de vida de todos os gaienses”, destaca o

Presidente da Câmara Filipe Menezes.

Esta nova geração de vias para a zona ocidental de Gaia “influenciará, de forma determinante”, nas palavras do vereador das obras Firmino Pereira, “uma moderna e atractiva cidade, diminuindo as distâncias a percorrer, eliminando os conflitos em arruamentos com perfil reduzido, aproximando e integrando os cidadãos na sua mobilidade.”

As VL1 que ligará a Rotunda das Devesas à Rua Marques Gomes diminui em mais de dez minutos a ligação entre os dois pontos da cidade, uma extensão de 2,300 km, para um investimento de quatro milhões de euros com prazo de execução de um ano.

Já a VL2-4, ligação da VL8 ao mar através da VL7 (Avenida Eugénio de Andrade), facilita o acesso do centro da cidade ao mar; esta via articulará os eixos estruturantes como o IC1, VL8, IC23, VL7 e Via Marginal de Gaia. Para construir dentro meio ano, por cerca de um milhão e oitocentos mi, euros.

Quanto á reformulação da VL8, terá um carácter de via urbana, ampla, segura, arborizada e de escala humana; uma extensão de 1 500 metros, prazo de execução de nove meses, um investimento na ordem dos 2 milhões de euros.

A Via Panorâmica vai estabelecer ligação entre a VL 8 e a marginal ribeirinha; será construída com a participação de investidores privados, através de operações urbanísticas. Com cerca de 1 100 metros, nove meses para construir e um custo de 3 milhões de euros, este será um acesso entre a cota alta e cota baixa da cidade.

Uma ligação rápida entre a Rotunda das Devesas ao núcleo central da zona histórica da cidade, será possível através da Via do Centro Histórico. Melhores acessos a equipamentos em construção como o Centro Cultural de Gaia, Escola Superior de Tecnologia da Saúde ou o Convento Corpus Christi. Um investimento que ronda os dois milhões de meio de euros, um prazo de execução de seis meses, numa extensão de oitocentos metros.